Os 18 clubes da Liga Nos obtiveram receitas de 827 milhões de euros na temporada 2018-2019, um aumento de 42% face à época anterior, com grande parte da receita concentrada nos três grandes, Benfica, FC Porto e Sporting, de acordo com um estudo revelado pela Liga Portugal e a EY.

Os ganhos relacionados com direitos de atletas e os valores de contratos de direitos televisivos tiveram o maior impacto, pesando cerca de 36% (294 milhões) e 21% (172 milhões) da receita total.

“Os direitos televisivos são de vital importância para as sociedades desportivas ainda a cimentar a atividade no principal escalão. (…) Se os direitos televisivos fossem centralizados, o seu peso na receita seria maior”, sublinham a Liga na 3.ª edição do Anuário do Futebol Profissional Português.

Ler mais: Bundesliga fatura mais de 4 mil milhões pela primeira vez

Por outro lado, os prémios de participação em competições europeias atribuídos aos clubes atingiram o valor de 155 milhões de euros, “impulsionado pela participação do FC Porto e do Benfica na Liga dos Campeões em 2018-19”, beneficiando da entrada em vigor do novo modelo de distribuição de receitas das provas no Velho Continente.

Já os contratos de sponsor e de patrocínio técnico e a comercialização de camarotes (atividade comercial) renderam aos clubes 74 milhões de euros.

Ler mais: Serie A italiana fatura 2,8 mil milhões

Gastos atingem 740 milhões

Quanto aos gastos totais dos clubes da Liga Nos, atingiram os 740 milhões de euros em 2018-2019, um aumento de 25% face à temporada anterior, com os três grandes a concentrarem a maioria das despesas.

Quase metade das despesas dos clubes relacionaram-se com o pessoal (jogadores de futebol, treinadores e staff), num total de 341 milhões de euros.

“O perfil de gastos com pessoal foi de 267 milhões de euros com jogadores dos plantéis (77%), 37 milhões de euros com treinadores das equipas (11%) e 40 milhões com outros funcionários das sociedades desportivas (11%)”, explica o estudo.

Os gastos com fornecimentos e serviços externos e os encargos com dívida financeira ascenderam a 161 e 50 milhões de euros, respetivamente. Já o dinheiro gasto na aquisição de jogadores foi de 139 milhões.

Lucros de 61 milhões

Feitas as contas, as sociedades desportivas da Liga NOS apresentaram um resultado líquido agregado positivo de 61 milhões de euros, mais 97 milhões de euros do que na temporada passada.

Apenas 4 dos 18 clubes não apresentaram resultados positivos, “refletindo assim um bom período de gestão financeira no futebol profissional”.

“As receitas na época 2018-19 aumentaram e deu-se uma melhoria significativa dos principais rácios financeiros e económicos das sociedades desportivas, começando-se a sentir o fim de um ciclo estratégico, que levou a uma maior consolidação e equilíbrio competitivo”, referiu Pedro Proença, presidente da Liga Portugal.

“A atual situação económica sentida pelo Covid-19 veio aumentar a sensação de impotência e necessidade urgente de capacidade organizativa do setor de forma centralizada, principalmente no que concerne a um conjunto de ativos, cujo domínio implica grandes impactos e poder negocial sobre as empresas do setor”, acrescentou.