Em plena pandemia, que afetou fortemente o setor da aviação, o AC Milan renovou o patrocínio com a companhia aérea Emirates até final da temporada 2022-2023, embora com uma redução do valor para dez milhões de euros por ano.

O renovação do patrocínio foi oficializada esta segunda-feira, com os milaneses a aceitaram um corte de de quatro milhões por época face ao anterior acordo, que rendia perto de 14 milhões por ano, mais bónus.

A Emirates continuará a ser o principal patrocinador do Milan e também a sua companhia aérea oficial num novo contrato de três anos que garante visibilidade na parte frontal das camisolas da equipa principal masculina, equipas jovens e ainda da academia rossoneri.

Ler Mais: Fundo Bain oferece €3 mil milhões para comprar 25% da Serie A

Ou seja, o acordo deixa de fora a equipa feminina e os equipamentos de treino, que estavam incluídos no anterior contrato. O clube procederá agora à venda desses espaços comerciais, assim como da manga da camisola principal, de forma separada.

“Esta renovação é um reconhecimento do valor que as duas partes trouxeram para a mesa através de uma parceria de longo prazo. A parceria destas duas marcas, com uma forte visibilidade internacional, é muito poderosa”, referiu Casper Stylsvig, diretor do AC Milan.

“Surgindo num contexto de pandemia, o novo acordo com a Emirates também vai permitir ao clube redefinir a sua parceria estratégica, com um aumento do portefólio de sponsor e, nesse sentido, um maior potencial para mais parceiros”, acrescentou Stylsvig.

Ler mais: Patrocínios das camisolas da Serie A italiana 2019-2020

No final do novo acordo de três anos, a duração total da parceira vai atingir os 17 anos, sendo que a Emirates é o patrocinador da camisola desde a época 2010-2011.

Além do AC Milan, a Emirates patrocina outros clubes europeus, como o Benfica, Arsenal e o PSG.