Por causa da pandemia, as empresas vão reduzir drasticamente o seu investimento no desporto, através dos contratos de patrocínio. Um estudo da agência de marketing desportivo Two Circles projeta uma quebra de 37% no valor investido pelas empresas em sponsorship este ano. Dos $46.1 mil milhões em 2019, o investimento em patrocínios e outros contratos publicitários cairá para $28.9 mil milhões em 2020.

Esta situação deixará todo o mundo desportivo sob maior pressão financeira, depois de a pandemia ter provocado a suspensão e o cancelamento de competições globalmente. O Euro 2020 e os Jogos Olímpicos foram adiados para o próximo anos, outras competições desportivas foram suspensas temporariamente.

Ler mais: Top 10 Maiores Contratos de Equipamento do Mundo 2020

Os setores que mais vão reduzir a atividade são estes, por ordem: serviços financeiros (-$6.92 mil milhões), automóvel (-$2.67bn) e tecnologia (-$4.58 mil milhões), de acordo com o estudo da Two Circles.

Por outro lado, o setor da aviação, um dos mais castigados pela crise da pandemia, deverá reduzir o seu investimento em 61% para apenas $330 milhões.

“A pandemia de Covid-19 deixou a maioria dos contratos de sponsorship em banho maria e muitos dos acordos em vigor serão terminados por empresas que vão impor medidas de contenção de custos ou deixar de existir”, sublinha o relatório.

“Os patrocinadores deverão apostar em ações de solidariedade e pedir descontos aos clubes e organizações desportivas devido ao cancelamento de eventos, reduzindo significativamente as despesas financeiras em 2020”, acrescenta o mesmo estudo.

Gareth Balch, presidente da Two Circles: “Como plataforma de marketing para atingir audiências apaixonadas e emocionalmente engajadas em ambientes seguros para as marcas, o sponsorship desportivo não tem rival. Contudo, com o desporto suspenso desde março, o valor que o desporto pôde entregar aos parceiros comerciais foi limitado, com o corte de custos em setores que investiram significativamente em patrocínios a representar um desafio substancial na concretização de novos acordos”.