A SAD do FC Porto apresentou aos jogadores do plantel principal de futebol uma proposta para reduzir temporariamente os encargos com salários durante a pandemia de Covid-19.

A proposta dos dragões visa cortar os salários dos jogadores em 40%. Tudo dependerá da forma como, em última instância, o surto do vírus evoluir em Portugal e ainda do levantamento das restrições por parte das autoridades.

A direção da SAD azul-e-branca tentou resistir quanto pôde a esta medida, devido à paragem das competições de futebol que não se verificam apenas em Portugal mas em quase todo o mundo devido à disseminação do novo coronavírus. Mas tornou-se inevitável pedir aos jogadores uma partilha do sacrifício num altura em que não há receitas.

Segundo o jornal Record, os capitães do FC Porto estão cientes da atual situação e aceitam ajudar o clube nesta altura mais difícil. Ainda assim, pediram ajustamentos na proposta avançada pela SAD dos dragões, o que está a ser estudado neste momento.

A porposta da direção portista assegura aos jogadores que 20% dos montantes cortados sejam devolvidos assim que as competições sejam retomadas. Os outros 20% serão devolvidos no momento em que for novamente possível os jogos contarem com público no estádio e o clube possa arrecadar com receitas da bilheteira.

Sporting chega a acordo com jogadores para cortar 40% dos salários

Os campeonatos estão parados em Portugal, devido à pandemia de Covid-19. A Liga pretende retomar as competições no início de junho, mas ainda não é certo quando e em que moldes as competições serão retomadas.

Vários clubes em Portugal já adotaram medidas de contenção salarial por causa da atual situação. Alguns emblemas implementaram o regime de lay-off lançado pelo Governo, que permite a partilha de salários entre a entidade empregadora e o Estado.

Já o Sporting também tinha decidido cortar os ordenados em 40% nos meses de abril, maio e junho, num esforço para mitigar os efeitos da crise do coronavírus no futebol.

Sem competições, os clubes deixaram de ter receitas da transmissão dos jogos, venda de bilhetes, assim como da venda de merchandising, patrocínios ou dos prémios da UEFA.

Neste cenário, vários clubes europeus também chegaram a um entendimento com os jogadores para fazer face à crise económica. Em Espanha, por exemplo, o Barcelona reduziu os salários dos jogadores em 70% enquanto o campeonato não for retomado e o Real Madrid chegou a um acordo para baixar os salários entre 10% e 20%. Na Bundesliga, os jogadores do Bayern aceitaram um corte salarial de 20%. E na Juventus, os jogadores viram os seus salários reduzidos em 90 milhões de euros.