A FIFA está a trabalhar num grande plano de ajuda financeira para as organizações de futebol em todo o mundo, perante o impacto económico da pandemia do coronavírus. Tem 2,7 mil milhões de dólares para apoiar ligas e clubes.

A notícia foi avançada pela agência Reuters, que apelidou o projeto de “Plano Marshall para o Futebol”, em referência ao pacote de estímulos financeiros que ajudaram a reconstruir a Europa depois da Segunda Guerra Mundial.

Esta semana, a organização que tutela o futebol mundial criou um grupo de trabalho para responder à crise da pandemia da Covid-19, prevendo injeções de dinheiro para ajudar as organizações em maiores dificuldades.

Ler mais: Ronaldo and teammates agree €90 million pay cuts in Juventus

Um porta-voz da FIFA afirmou que há “graves problemas financeiros por causa do surto do coronavírus”. Acrescentou que “isto ameaça a capacidade das associações membro da FIFA é outras organizações do futebol como ligas e clubes de desenvolverem, financiarem e gerir as atividades futebolísticas a todos os níveis do jogo, incluindo o profissional, amador, jovem e escolas”.

A mesma fonte frisou ainda que a forte posição financeira da FIFA significa que está em condições de ajudar quem precisar. A entidade terá nos seus cofres 2,7 mil milhões de dólares.

Grande parte das competições em todo o mundo estão suspensas devido à Covid-19, que já obrigou a UEFA a adiar o Campeonato da Europa 2020 para 2021, por exemplo. Também as competições europeias — Champions League e Europa League — e ligas nacionais estão suspensas, não se sabendo quando os jogos serão retomados.

Ler mais: Premier League quer cortar 30% dos salários dos jogadores

Sem jogos, os clubes tentam reduzir as despesas com cortes nos salários, até porque também não estão a receber dinheiro dos seus parceiros comerciais, incluindo os direitos televisivos.

A Premier League vai propor um corte de 30% nos salários dos jogadores. O Barcelona vai reduzir os vencimentos de Messi e companhia em 70% enquanto não houver campeonato. Ronaldo e os colegas na Juventus aceitaram uma redução de 90 milhões de euros nos seus salários.