Mais caro é melhor? No futebol, pelo menos, não assim. O Finance Football avaliou o valor de mercado dos jogadores portugueses que já pisaram os relvados no Euro 2016 e comparou os números com as notas de jogo que cada um obteve na imprensa após os jogos. A conclusão – que para muitos não será surpreendente – é clara: a ligação entre os dois factores é praticamente inexistente.

Comecemos pela frente da tabela. Na lista dos mais caros está, claro, Cristiano Ronaldo. Com um valor de mercado de cerca de 110 milhões de euros – os dados vêm do Transfermarkt – Ronaldo mais de quatro vezes mais do que o segundo da lista, William Carvalho. Mas não é por aí que se notam diferenças: tanto Ronaldo com Carvalho tiveram uma pontuação média de 6,2 ao longo dos primeiros três jogos.

Na verdade, não há sequer diferenças que se vejam entre o primeiro e o último classificados da tabela. Com 38 anos, Ricardo Carvalho é o jogador menos valioso entre todos aqueles que já pisaram o relvado – mas, apesar da diferença de 109,5 milhões de euros que o separa do atleta do Real Madrid, até agora ambos tiveram praticamente a mesma nota média nas publicações desportivas: 6,1 versus 6,2.

O gráfico seguinte mostra o valor de mercado dos jogadores considerados (escala da esquerda), e para cada atleta revela também a média das notas atribuídas pela imprensa (escala da direita). Não se nota nenhuma relação entre as duas variáveis.

PT_fgrupos_euro16

Até agora, o jogador com melhor performance tem sido Raphael Guerreiro, o lateral esquerdo que substituiu o lesionado Coentrão. E as exibições parecem ter tido eco lá fora, porque entretanto Guerreiro já foi contratado pelo Borussia de Dortmund. A espinhosa tarefa de substituir o lateral titular, que se lesionou na semana passada, coube a Eliseu, que com uma pontuação média de 4,3 é o atleta com pior performance.

Claro que tudo pode ainda mudar daqui para a frente. Portugal vai ter – pelo menos – mais um jogo, e tendo em conta que neste gráfico a maioria dos futebolistas conta apenas com três jogos, uma ou duas partidas podem fazer muita diferença. Ronaldo é um caso claro: o seu 6,2 resulta de três notas “médias” muito distintas: 5,5 (Islândia), 5,1 (Áustria) e… 8 (Hungria). Se voltar a repetir a façanha, a sua média global sobe automaticamente para 6,7, tornando-se o segundo jogador neste ranking.

Os valores de mercado usados nesta peça foram retirados do site Transfermarkt. As notas atribuídas pela imprensa são a média aritmética das notas atribuídas em cada jogo pelo Observador, Público, Record e A Bola. Não foram considerados jogadores com muito pouco tempo de jogo (por exemplo, Éder ou Rafa).