A consultora internacional KPMG foi a última empresa a terminar laços com a FIFA, deixando de prestar serviços de auditoria à organização agora liderada por Infantino.

Há 16 anos que a KPMG se mantinha como auditora oficial da FIFA, exercendo funções de auditor das contas financeiras da organização que tutela o futebol mundial.

O anúncio surge 10 dias depois de ter sido revelado que um pequeno grupo de altos responsáveis da FIFA pagaram uns aos outros algumas dezenas de milhões de dólares em bónus e outros incentivos. Surge ainda três semanas depois da resignação de Markus Kattner, que foi o CFO (chief financial officer) da FIFA.

“A FIFA aplaude esta mudança, dando oportunidade à organização de trabalhar com uma nova empresa de auditoria, que será nomeada brevemente”, referiu a FIFA em reacção a esta demissão.

“À luz das graves alegações envolvendo transacções financeiras sublinhadas pelas autoridades suíças e norte-americanas, é essencial que as funções financeiras na FIFA sejam renovadas e reformadas”, explicou a organização.

A KPMG não adiantou mais pormenores em relação a este afastamento, escudando-se nos deveres de sigilo e confidencialidade com a FIFA.